Home Artigos A Cultura Popular perde sua maior expressão, Mary Cyanne

A Cultura Popular perde sua maior expressão, Mary Cyanne

por Redação

Até este momento e por muito tempo, vamos ficar sem entender, como é que uma pessoa que só pensava no bem-estar do próximo, em ajudar quem estivesse precisando e o que era mais importante, não tinha hora e nem tempo ruim e mais, jamais alguém a viu sem estar com um sorriso estampado naquele lindo rosto.

Pois é meus amigos, estou falando da amiga/irmã Mariluce Ferreira Gonçalves a querida e amada Marycyanne. Mary faleceu na madrugada do último domingo 10 (Dia das Mães), aliás, ela era considerada a MÃE de todos os grupos envolvidos com a Cultura Popular fosse no segmento Folclore ou Escola de Samba, não tinha cor, não tinha bandeira, Mary sempre arranjava um tempo para colaborar, não só com o grupo mas, com as entidades representantes desse grupos, como a Federon (Quadrilhas e Bois Bumbás) e FESEC (Escolas de Samba) porém, em se falando de preferência ela tinha as suas: No segmento folclore, a quadrilha JUABP escola de samba era a Império do Samba e Diplomatas, mas, na hora de colaborar, eram todas.

Essa jovem benfeitora da nossa cultura foi mais uma vítima do novo coronavírus e o mal Covid + 19. O pior é que esse mal não nos deixou se despedir da amiga, nem chegar perto do caixão, não podemos nos despedir com a realização de um velório digno de uma rainha. Logo no início da tarde domingo o corpo da Mary foi transportado para o cemitério, os folcloristas (alguns) se concentraram a beira da rodovia que leva ao cemitério e ali, quando o carro da funerário passou, fez o que pode, para dar o último adeus a amiga.

Aproveitamos o texto publicado pelo Eudes Claudino para mostrar o carinho de todos os segmentos culturais para com a Marycyanne:

“Infelizmente nossa amiga faleceu logo após nossa oração, ela foi pra perto de Deus, estamos tristes, arrasados, uma pessoa maravilhosa, amiga, que estava sempre pronta pra servir, hoje a nossa cultura, perde uma grande pessoa, sempre envolvida com nossas culturas, posso dizer, ela amava toda a manifestação cultural,  os arraias, não vão ser igual sem ela, o Carnaval não vai ser igual sem ela, enfim, a cultura perde muito com sua partida, convivi muito com ela, por  essa briga pela nossa cultura, vá minha amiga, se um dia eu tiver poder, eu te prometo,  colocar o seu nome, em algum espaço da cultura do nosso município, hoje eu perdi uma irmã, não foi uma amiga”.

Descansa em paz Cyanne!

 

 

 

 

Por Silvio Santos

Related Articles

Deixe um comentário