Home Geral Boletim epidemiológico aponta redução de casos da dengue e zika em Rondônia

Boletim epidemiológico aponta redução de casos da dengue e zika em Rondônia

por Redação

Segundo dados do Boletim Epidemiológico da Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) de Rondônia, o número de casos notificados de Dengue e Zika foi reduzido, comparando o mês de outubro de 2020 ao mesmo período no ano de 2019. Em outubro do ano passado foram registrados 130 notificações de Dengue, enquanto atualmente os números registram queda para 91 casos notificados.

A aplicação do fumacê é uma das alternativas no combate à proliferação do mosquito transmissor da dengue, Zika e Chikungunya

Em 2020, os municípios de Ariquemes, Alto Alegre dos Parecis, Parecis, Alta Floresta do Oeste, Cerejeiras, Vilhena, Nova Brasilândia, Nova Mamoré, Espigão d’Oeste entraram em surto com aumento de casos e houve a necessidade do Estado intervir no combate ao agravo.

A diretora da Agevisa, Ana Flora Gehardt disse que o apoio do Estado em tempo oportuno na aplicação de UBV (Fumacê) pesado nos municípios para combate e controle do vetor, associado a ações complementares realizadas pelos municípios e o monitoramento, contribuíram para redução de casos de Dengue e Zika.

A Coordenação Estadual de Vigilância e Controle do Aedes Aegypti avalia de forma positiva a efetividade da execução do plano de ação de combate ao Aedes, que alcança todos os municípios do Estado e contemplam ações de limpeza urbana, levantamento e eliminação de criadouros, ações de educação e saúde, manejo clínico e diagnóstico do paciente, avaliação epidemiológica e ações de bloqueio de transmissão viral.

Estado apoia os municípios com a aplicação de UBV (Fumacê) pesado para combate e controle do vetor

Segundo a coordenadora da Agevisa, Bárbara Moura Lopes, é necessário atenção aos sinais e sintomas dos referidos agravos, porque podem ser confundidos com a Covid-19, levando a uma subnotificação de casos de Dengue e Zika.

Os profissionais da Agevisa continuam alertando a população sobre as ações de combate para evitar problemas de surtos, como ocorreram no final do ano passado e início desse ano, o descuido pode levar ao agravamento de casos e ocorrência de óbitos.

APOIO AOS MUNICÍPIOS

A Agevisa tem dado suporte aos municípios, com distribuição de insumos estratégicos, assessoramento na elaboração e execução do plano de ação, avaliação dos bancos de dados de vigilância das arboviroses, monitoramento situacional dos casos em humanos e do Aedes, e apoio na execução das ações de bloqueio com UBV pesada.

Os municípios realizam ações de controle vetorial, somente após executados todos os procedimentos e não havendo redução dos casos, os gestores podem fazer a solicitação via ofício à direção da Agevisa para que a Coordenação do Aedes analise o perfil epidemiológico do município; e observando a real necessidade, decida sobre a intervenção do Estado para fortalecer as ações.

Segundo os dados do boletim epidemiológico os municípios que mais apresentaram casos confirmados de Dengue nas últimas semanas são: Buritis, Porto Velho e Rolim de Moura.

LIRAa

Ainda em novembro deve ser divulgado o Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti (LIRAa), documento oficial que permite descobrir como está a situação de cada município semanalmente, e ainda identificar quais os bairros mais críticos e os focos predominantes na área. Os municípios estão finalizando os dados a serem computados e a Coordenação Estadual fará a consolidação das informações.

O LIRAa serve como um norte para saber quais municípios está com médio ou alto índice de larvas do mosquito bem como o criadouro predominante, e ajuda a nortear a prevenção para evitar surtos nos municípios.

A sociedade pode ajudar os entes públicos nesta luta contra os agravos se conscientizando em relação à limpeza, não acumulando lixo que sirva como criadouro do mosquito, mantendo fechados os recipientes que armazenam água, não jogar lixo em terrenos baldios, limpar frequentemente as calhas, manter telado o suspiro de fossas, entre outros que sirvam de criadouro para o mosquito.

 

 

 

 

Fonte
Texto: Aurimar Lima
Fotos: Frank Néry
Secom – Governo de Rondônia

Related Articles

Deixe um comentário