Home Geral Facer impetra mandado de segurança pedindo abertura de empresas em Rondônia

Facer impetra mandado de segurança pedindo abertura de empresas em Rondônia

por Redação

Com pedido de isonomia entre as atividades empresariais enquadradas na Fase 1 e na Fase 2 do Plano de Distanciamento Social do Governo do Estado de Rondônia, a Federação das Associações Comerciais e Empresariais de Rondônia (Facer) entrou na justiça com um Mandado de Segurança requerendo a imediata suspensão dos efeitos da portaria conjunta nº 11 de 29 de junho de 2020, bem como decreto nº. 25.049, de 14 de maio de 2020, e que seja autorizada a reabertura de todas as atividades empresariais descritas na Fase 2 juntamente com a fase 1.

Consumidores e comércios devem seguir algumas orientações para manter a segurança e ajudar no combate ao coronavírus

 

A ação judicial é apoiada pelo presidente da Associação Comercial e Industrial de Alto Paraíso Pedro Félix.

No mandado de segurança, a Facer demonstra a importância da isonomia, ou seja, igualdade entre as atividades empresariais inseridas na Fase 1 e na Fase 2. “Qual a diferença entre uma loja de tecidos, armarinhos e aviamentos (fase 01) de uma loja de confecções e sapatarias (fase 02)? Por que uma é essencial e a outra não? E qual a diferença de uma loja de material de construção (fase 01) para uma loja de perfumaria e cosméticos (fase 02)? Por que uma pode abrir agora e a outra não? Volta-se a questionar. Qual a diferença em controle de contágio entre uma igreja e o shopping center? Nenhuma diferença, podendo ambas atividades funcionarem, afinal, em cada perspectiva são essenciais!”, destaca o documento da Facer.

O presidente da Facer, Francisco Hidalgo Farina, destaca que na ação não se busca o fechamento incondicional de todo o setor produtivo, mas certamente a reabertura de todas as atividades empresariais, pois todas são essenciais em sua natureza. Justifica-se o entendimento decorrente da isonomia entre atividades empresariais.

DESEMPREGO

O documento apresentado ao Tribunal de Justiça destaca levantamento do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), órgão ligado ao Ministério da Economia, apontando que em decorrência do avanço do coronavírus, Rondônia perdeu nos últimos 4 meses 41.596 postos de trabalho.

Related Articles

Deixe um comentário