Home Política PROFESSORA ELOÍZA COLOCA SUA HISTÓRIA DE VIDA A SERVIÇO DA POPULAÇÃO COMO CANDIDATA A VEREADORA

PROFESSORA ELOÍZA COLOCA SUA HISTÓRIA DE VIDA A SERVIÇO DA POPULAÇÃO COMO CANDIDATA A VEREADORA

por Redação

Natural de Campo Belo, MG, Eloiza Virgília de Freitas Fófano Garcia, que adotou como nome de campanha, Professora Eloíza, é uma pessoa sobre quem se pode dizer, sem medo de errar, que possui um currículo extenso e uma participação ativa no seio da comunidade, em todos os lugares onde morou e dedicou-se não apenas à família, mas também a servir ao próximo. Tem formação em pedagogia, orientação educacional em séries iniciais e pós graduação em psicopedagogia clínica e institucional.

Hoje aposentada, professora Eloíza recebeu o apoio da família para dedicar-se a esse projeto de ser candidata a vereadora e dar sua contribuição ao município de Cacoal, como forma de gratidão pela acolhida que teve nesta cidade.
Casada há 36 anos com Júlio César Fófano Garcia (técnico agrícola e gestor ambiental), Eloíza tem duas filhas: Carolina de Freitas F. Garcia (Engenheira agrônoma, tecnóloga em produção de grãos e mestre em soja) e Mariana de Freitas F. Ragnini (gestora ambiental e microempresária). Além das duas filhas, que lhe dão muito orgulho, Professora Eloíza também é avó de três netos: Davi, Luiza e Júlia.

CONHEÇA UM POUCO DA HISTÓRIA DESSA PROFESSORA COM ANOS DE DEDICAÇÃO
Enquanto estudante do Ensino Fundamental, foi secretária e relações públicas do LEO CLUB, onde tinha como propósito o despertar líderes para o futuro, através do trabalho voluntário e também foi integrante da União Estudantil Católica.
No ensino Médio, estudou em uma escola Presbiteriana e trabalhou em um supermercado. Fez parte da FANFARRA do colégio presbiteriano ARMSTRONG, em Campo Belo – MG. Bastante ativa nas ações da escola, Eloíza sempre achava um jeito de dar sua contribuição.

A hoje candidata diz que frequentou a Igreja Presbiteriana por diversas ocasiões, mas acabou se tornando membro da Igreja Metodista em razão de ter conhecido e se casado com um rapaz metodista. Em Rondônia, foi a responsável pelo grupo Infantil da Igreja Metodista em Ouro Preto do Oeste, onde também foi secretária por muitos anos. Presidente do grupo de mulheres em Ouro Preto, Jaru e também em Cacoal. Foi procuradora da Igreja Metodista em Cacoal no período de 2007 a 2013.

A professora Eloíza conta que sempre foi bastante ativa nos conselhos em Cacoal, onde participou do Conselho do FUNDEB, Conselho da Mulher, Conselho de Assistência Social e foi a fundadora do Conselho Escolar da Escola.
Em Campo Belo, MG, ela estudou até a formação profissional, o antigo Normal – Ensino Médio, hoje Magistério. Após a conclusão do curso, mudou-se para Arcos – MG, quando seu pai, funcionário da CSN, foi transferido. Nessa cidade mineira, ela iniciou suas atividades trabalhistas na área educacional, sendo aprovada em concurso público no município no ano de 1981. Iniciava-se ali sua carreira como professora, conquistando o objetivo com o qual sempre sonhou.

COMO INICIOU O GOSTO PELA POLÍTICA
Em 1983, Eloíza conheceu o candidato a prefeito, PLÁCIDO RIBEIRO VAZ, com quem se identificou e se encantou com seu plano de ação, passando então a apostar em sua candidatura. Na época, trabalhava na escola em uma comunidade rural, conhecida como Vermelhos, e por iniciativa própria, realizava ali reuniões para apresentar as propostas desse candidato a prefeito às pessoas da comunidade local e entornos. Seu trabalho foi exitoso e o seu candidato foi eleito e reeleito. Nessa localidade, Eloíza também apostou no candidato a vereador, Diocélio, que também, com sua ajuda, foi eleito e reeleito até se aposentar.

Em 1983, Eloíza casou-se e foi morar em Belo Horizonte, onde seu marido era servidor público estadual da Secretaria da Agricultura do estado de Minas Gerais. Ela, então, teve que abandonar seu cargo na prefeitura e continuou suas atividades educacionais, agora como professora estadual, aprovada em concurso público.

Por questões de salários achatados no governo estadual na época, ela e o marido abandonaram Minas Geral e foram para Rio Verde GO, onde trabalhou na Escola Maria Bueno da Igreja Presbiteriana e em uma escola de informática. Em relação à sua atuação no ramo da informática, ela diz que não sabia muito da área, mas como tinha boa didática, foi escolhida para o desafio de aprender e ensinar ao mesmo tempo. Conta que ainda hoje não é perita no assunto de informática, mas com dedicação, também deu sua contribuição nesse ramo da tecnologia como educadora.

VINDA PARA RONDÔNIA
Depois de um período curto em Goiás, o Marido de Eloíza foi convidado a gerenciar um posto de captação leiteira da Parmalat, na cidade de Ouro Preto do Oeste (RO), no ano de 1997. Nessa cidade de Rondônia, Eloíza prosseguiu com sua atuação no ramo escolar, dando aulas na melhor escola particular da região, o Educandário Curumim. A partir daí, ela iniciou faculdade em Pedagogia na cidade vizinha de Ji-Paraná. Em Ouro Preto também teve a experiência de ter criado uma escola de Educação Infantil, inicialmente com 70 alunos. Nessa escola, intitulada CEOP – CENTRO EDUCACIONAL DE OURO PRETO, além de gestora, também foi professora em parceria com duas amigas. Mais tarde, decidiu deixar a sociedade.
De Ouro Preto, Eloíza mudou-se para Jaru, quando seu marido decidiu trabalhar naquele município. Ali ela trabalhou na Comunidade KOLPING. Nesse período, conclui o curso de Pedagogia e logo foi convidada a atuar como Supervisora da Escola Abílio Blanco, também de Educação Infantil e Ensino Médio, até 2004.

VINDA PARA CACOAL
Com a extinção da Parmalat, a família veio para Cacoal, em 2004, onde seu marido passou a trabalhar no Laticínio Tradição. Aqui, Eloíza atuou como professora estadual em várias escolas e ao mesmo tempo preparava-se para um concurso público em Ministro Andreazza. Aprovada em primeiro lugar como Orientadora Educacional naquele Município, ela exerceu suas atividades educacionais no ano de 2005. Algum tempo depois, seu marido também é aprovado em concurso público estadual no IDARON.

No ano de 2006, Eloíza é aprovada em concurso público em Cacoal, obtendo excelente classificação (11º lugar), e decidiu trabalhar em escola de zona rural, sendo que a mais distante ficava a 50 km da sede do Município. Nesse período, fez uma Pós Graduação em Psicopedagogia Clínica e Institucional.

Iniciou suas atividades de professora em Cacoal, na zona rural, no ano de 2007. Também atuou em escola de Educação Infantil e Ensino Fundamental e Médio, em parceria com o Estado.

Em final de 2009, a então diretora da escola, fez opção por outra secretaria e Eloíza foi indicada para substituí-la. Houve aprovação por parte da então prefeita, pelo Secretário de Educação, Professor Morais, e comunidade escolar, pais e professores. Ela conta que ficou como Gestora nomeada até setembro de 2010, quando foi implantada a Gestão Democrática no município e foi eleita para a Gestão 2010-2012. O plano de atuação do Gestor Educacional, segundo a Lei Orgânica, era apenas de dois anos e dois mandatos. No ano de 2015 reformularam a Lei, passando o tempo de dois para três anos de gestão e direito a dois mandatos, prorrogando-se por mais um mandato e assim ela foi eleita em três processos eletivos. A partir de 2018, o mandato do gestor educacional passou a ser de 3 anos.

ATUAÇÃO COMUNITÁRIA
Eloíza participou da criação do Conselho Escolar, com muito êxito, com CNPJ e tudo, e por isso foram conseguidos muitos recursos oriundos da prefeitura e do Governo Federal. Trabalhou com todos os programas propostos pelo FNDE. Executava as compras e fazia, com excelência, as PRESTAÇÕES DE CONTAS. Ela lembra que, nas escolas da zona rural, somente no ano de 2016, com muita luta, foi conseguido um supervisor permanente pra escola e no ano de 2017, também, com muita luta, um secretário. “O aprendizado foi gigante. Participava ativamente do Conselho do Fundeb, Conselho da Mulher e Conselho da Assistência Social”, conta.

Por fim, em 2018, Eloíza indicou e fez o convite para um amigo professor de outra escola para se candidatar ao cargo e obteve êxito em sua eleição e ele é quem a está substituindo. Depois, trabalhou até 30 de abril de 2019, prestando serviço na SEMED, secretaria de Educação, até solicitar sua aposentadoria. Mesmo aposentada do serviço público, trabalha com a filha em uma micro empresa de personalização em brindes e presentes.

CANDIDATURA A VEREADORA
Depois de ter se engajado em campanhas políticas de terceiros, como fez para o prefeito de sua cidade em Minas Gerais, agora Eloíza foi convidada para candidatar-se a vereadora pelo DEM. Ela diz que, agora aposentada, teve o apoio do marido e da família para defender esse projeto. Ela conta que o apoio da família a motiva ainda mais para participar desse processo político e que seu objetivo é defender projetos que garantam melhor qualidade de vida à população de Cacoal.

“Se eleita, vou colocar toda a minha experiência adquirida ao longo dos anos tanto no ramo da educação quanto em outras áreas, para defender a nossa população. Para que o meu objetivo seja concretizado, preciso do voto de todos os que me conhecem e dos que vão me conhecer a partir dessa campanha, para que juntos trabalhemos por uma Cacoal melhor”, concluiu.

Related Articles

Deixe um comentário